A taxa de tentativas de fraude no e-commerce brasileiro ficou em 3,49% no primeiro semestre de 2020, tendo aumentado em meio à pandemia do novo coronavírus. A conclusão é de um estudo realizado pela Konduto, que oferece serviços antifraude para e-commerces e pagamentos digitais. O mês de março, quando muitos consumidores e varejistas migraram para o online, registrou a maior taxa, com 3,99%, ou seja, a cada 100 compras feitas no Brasil, quatro tiveram origem fraudulenta.

O início do ano começou com dados que estavam dentro da normalidade. Em janeiro, o setor apresentou taxa de 2,78%, enquanto fevereiro ficou em 3,05%. De março para abril, houve queda de 28%, quando o índice passou de 3,99% para 2,85%. No entanto, nos meses seguintes, houve um novo aumento significativo, sendo 3,59% em maio e 3,89% em junho. Outro dado relevante é que o ticket médio dos pedidos fraudulentos no e-commerce seguiu bem acima das compras legítimas no primeiro semestre (R$ 641,38, contra R$ 302,22).

“Pudemos notar que os criminosos cibernéticos tentaram lucrar com a pandemia desde que a crise começou, aplicando diferentes tipos de golpes, como phishing, engenharia social e invasão de contas. Um dos objetivos é coletar dados para agir de forma fraudulenta, e isso inclui as compras no e-commerce. O valor das compras ilegítimas acaba sendo maior porque os fraudadores visam principalmente produtos de alto valor agregado e poder de revenda”, afirma Tom Canabarro, CEO e cofundador da Konduto.

Comparativos pré e pós-pandemia

O estudo também fez um comparativo entre o período pré e pós-pandemia. Ele levou em consideração o número de pedidos do e-commerce, as tentativas de fraude e o ticket médio entre 1ª de janeiro e 15 de março como pré-pandemia, 16 de março a 9 de junho como quarentena, e a partir de 10 de junho até 31 de julho como a reabertura do comércio.

O número de pedidos realizados entre 16 de março a 9 de junho teve um aumento de 90,74% em comparação com o pré-pandemia. Além disso, o volume de compras online quando o isolamento social foi flexibilizado em muitas regiões ainda é quase 105% maior do que nos primeiros meses do ano.

Já a taxa de tentativas de fraude também aumentou quase 15% se comparados os períodos pré-pandemia com a reabertura. Antes da Covid-19, o índice ficou em 3,30%. No período de reabertura, já estava em 3,75%. “Este número segue acima da média, o que é preocupante, uma vez que essa taxa pode causar prejuízos financeiros, danos à reputação e outros problemas para o e-commerce. Por outro lado, a expansão foi menor do que a registrada nos pedidos legítimos desde que a crise começou”, comenta Canabarro.

Ainda de acordo com o estudo, o ticket médio das compras no varejo online pré-pandemia era de R$ 349,88, passou para R$ 277,98 na quarentena e posteriormente subiu para R$ 307,57. Quanto aos pedidos fraudulentos, o valor foi de R$ 770,23 entre 1º de janeiro e 15 e março, R$ 573,49 na quarentena e R$ 656,81 na reabertura.

Panorama geral do primeiro semestre

Por fim, o levantamento da Konduto traz também um panorama geral do e-commerce brasileiro no primeiro semestre. Em fevereiro, o setor teve queda de 1,18% no número de pedidos em relação ao mês anterior. Já em março, com os primeiros efeitos da pandemia no Brasil, veio um avanço de mais de 22,11%, se comparado ao mês anterior.

Em abril, o e-commerce apresentou 49,73% a mais de vendas do que março, enquanto maio registrou um crescimento de 36,25% em relação a abril. Só em junho que houve a primeira queda em comparação ao mês anterior (de 10,85%), o que coincidiu com a reabertura do comércio físico e a flexibilização da quarentena em algumas regiões. Ainda assim, o aumento do e-commerce em junho quando comparado a janeiro é de 119,45%.

“Mesmo diante de um cenário de incertezas, o comércio eletrônico conseguiu se adaptar ao volume maior de pedidos e manter o ritmo de crescimento em meio à crise do novo coronavírus. Para o segundo semestre, o e-commerce deve se preparar para continuar atendendo a uma alta demanda, já que muitos consumidores adotaram de vez as compras online e, além disso, teremos duas das principais datas sazonais para o setor: Black Friday e Natal”, finaliza Canabarro.

Imagem: Reprodução

Fonte: Mercado e Consumo